Páginas

sexta-feira, 31 de março de 2017

1 ano sem compras | Mês 3 |


Quantas vezes você comprou algo e nunca usou se arrependeu ou achou que não caiu tão bem quanto você achou inicialmente? Você tem um guarda-roupas lotado e mesmo assim tem a sensação de que nunca tem roupa pra vestir? Conheça os serviços de Closet Clearing e Personal Shopper que vão mudar a sua forma de comprar economizando seu tempo e dinheiro!  Veja mais informações no site http://ift.tt/1ZUV6S9!:
(Pinterest)


Minha frequência por aqui não tem sido das melhores, mas é por um motivo justo. Finalmente montei uma rotina eficiente em que consigo cumprir todas as minhas obrigações mas, infelizmente, o blog não faz parte dela. Explico: voltei a estudar. Escravizo minha mente todos os dias nessa tarefa. Cobro concentração, disciplina, foco e principalmente que esqueça o rocambole de kinder ovo da Caroli. Se eu não tivesse um controle razoável sob ela, iria hipnotizada até lá e o comeria todos os dias. Só que, às vezes, ela não me obedece e os papéis se invertem: a escrava sou eu. Normalmente acontece uma vez por semana, nas sextas, suspeito que seja por causa do final de semana. Mas, quase sempre, é um dia em que eu sou obrigada a fazer só o que gosto de verdade e, enquanto não consigo domar essa rebelde, vou gastando umas linhas por aqui.

Agora vamos ao que interessa! Estava demorando pra decidir se levaria adiante os projetos do ano passado e, após o período sombrio de indecisão, finalmente resolvi que sim (só que em partes). Esse ano eu não vou comprar nadica de nada referente a roupas. Olhei pro meu guarda-roupas e cheguei à conclusão que não preciso de nada. Não que eu tenha muita coisa, sabe? Longe disso. Mas tenho o suficiente pra quem não quer viver de excessos. No entanto, acho que já comentei por aqui que com relação aos sapatos as coisas são diferentes. Tenho bem poucos, na real. E achar sapato pro meu pé nunca foi lá uma tarefa muito fácil, quem tem pé muito fino vai entender. Sempre quando ficam bons no tamanho, as tiras ficam folgadas, tornando a busca um verdadeiro martírio. #traumadesdepequenina Em função disso, decidi que a regra não vai se aplicar aos sapatos, porém terá um limite. Dois pares nesse ano. No MÁXIMO.

Já estamos no finalzinho de março e eu ainda não comprei nada, portanto, esse período de seca coincidirá com o ano civil. A partir do dia 1 de Janeiro do ano que vem, ganharei alforria! O que na verdade vai dar um pouco mais de um ano sem comprar, já que minha última compra foi em dezembro, depois do natal e antes do Reveillon. 

Várias pessoas já se propuseram a fazer esse desafio e uma coisa que se tornou comum foi começar reduzindo o armário, tornando-o bem minimalista e coeso. Já aviso que eu não vou fazer isso e explico: sempre, sempre, sempre, estou tirando peças do meu armário que eventualmente caem em desuso. Então, normalmente tudo que tenho aqui eu uso de fato. Outro ponto importante a ser considerado é que eu não tenho um estilo só. Durante o meu período de armário-cápsula, pude descobrir que eu não viveria só de cinza, preto e branco. Amo de paixão, mas não tô preparada pra abandonar minhas peças estampadas, porque tem dias que meu humor pede cores vibrantes e estampas extravagantes, MESMO. 

As razões pelas quais estou iniciando o projeto, consistem no fato de que além de ser adepta do consumo consciente e ter vontade de experienciar coisas nesse sentido, estou precisando economizar pra dar início a outros projetos na vida. Planejamento financeiro é essencial pra concretização de tudo e, por isso, chegou o momento de priorizar outros gastos.

Sempre que der, vou postando looks que usar no dia a dia por aqui, principalmente quando a rotina incluir trabalho (aí sim o bicho vai pegar). Por enquanto, ainda sigo em casa e vestindo pijamas diariamente. :B

Besos,

Jess.

domingo, 5 de março de 2017

Esclarecimento de sentido |Fragmentos de carnaval|

Aproveitando mais uma fase do meu inferno astral em que acordei com uma vontade incontrolável de escrever, estou deixando posts bem encaminhados para soltar por aqui. Nesse, em especial, resolvi fazer um compilado. Sim, faço isso quando não tenho muitos registros de imagens (ainda peco nisso) ou muito assunto pra falar sobre determinada coisa. Aí a receita é simples: junto tudo, bato no liquidificador e dá um post mega misturado e sem muita coesão.

A primeira coisa que queria falar aqui pode soar esquisita, mas vou ser direta: o meu blog tem mais acessos do que eu previa. Não me levem a mal - sou tímida, não blasé - é que, às vezes, eu prefiro pensar que estou sozinha por aqui. Entrar nesse espaço é como acessar - com meu consentimento - o meu eu mais profundo que não se limita a meras imagens e legendas desconexas, como no instagram. Vai além. Aqui, cada palavra escrita me deixa desnuda e decifrável. Já pensei várias vezes em ocultá-lo, mas já tive blogs ocultos antes e eu não levei nenhum pra frente. Paradoxalmente, deixar exposto me motiva mais a continuar registrando, ou tentando. O fato é que, constantemente, eu me confundo e não sei pra quem eu falo, se é comigo mesma ou com pessoas que eu não sei quem são. 

Outra contradição ao fato de eu ter um blog "público", é  que eu não tenho pretensão NENHUMA de ficar conhecida ou de angariar seguidores e acabar virando refém deles. Tem gente que não sabe ser gente e não dá pra ignorar isso. Fora que, andando na contramão do consumo, a probabilidade de marcas me mandarem coisas é inexistente porque o intuito não é vender, propagar ou estimular pessoas a consumirem EXAGERADAMENTE coisas de que não precisam. O sentido disso aqui, embora eu esqueça sempre de bater foto, é puramente o registro de pensamentos, ideias, looks ou vivências. Se for pra influenciar alguém a fazer alguma coisa, que seja algo bom pro mundo, pensando na coletividade e não só em si mesmo. Por fim, eu NÃO sou "blogueira", eu NÃO trabalho com isso e eu NÃO faço parceria vinculando minha imagem a algo que eu não acredito. Se alguém quiser me dar alguma coisa, que seja vinho. :B hahaha 

*Agora corta e vamos falar de carnaval.* 


Esse ano, meu carnaval foi tranquilo, fiquei na minha cidade e equilibrei as escolhas entre folia e netflix. Fui em alguns bloquinhos, numa festinha no condomínio do namorado, mas o ápice mesmo foi poder usufruir do ar condicionado do quarto da minha mãe enquanto ela viajava. Ser pobre é tão bom que com qualquer coisinha a gente fica felizinho. hehe Eu esqueci mesmo de registrar a parada toda em detalhes, portanto esse post vai ser miserável em imagens. #sóri Prometo melhorar! 


 

Não necessariamente nessa ordem...